Abin usou programa secreto para monitorar pessoas pelo celular no governo Bolsonaro

0
43

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) operou um sistema secreto de monitoramento da localização de cidadãos em todo o território nacional, segundo documentos obtidos pelo GLOBO. Sem nenhum protocolo oficial, a ferramenta permitia que fossem monitorados os passos de até 10 mil proprietários de celulares a cada 12 meses, apenas a partir da inserção do número de um contato telefônico no programa.

A prática gerou questionamentos entre os próprios integrantes do órgão, já que a agência não possui autorização legal para acessar dados privados. O caso motivou a abertura de investigação interna. A vigilância pode ainda violar o direito à privacidade. Procurada pelo jornal, a Abin disse que o sigilo contratual a impede de comentar.

A ferramenta ofereceu à agência de inteligência a possibilidade de identificar a “localização da área aproximada de aparelhos que utilizam as redes 2G, 3G e 4G”. O programa permitia rastrear uma pessoa para torres de telecomunicações instaladas em diferentes regiões. Com base no fluxo dessas informações, o sistema oferecia a possibilidade de acessar o histórico de deslocamentos e criar “alertas em tempo real” de movimentações em diferentes endereços.

A lei 9.883/99, que instituiu a Abin e estabeleceu os limites e alcances da sua finalidade, não prevê que a agência possa monitorar celular e/ou exercer vigilância de geolocalização. Na esfera privada, as condutas dos indivíduos levam em consideração não apenas aquilo que a lei permite, mas aquilo que ela não proíbe. No âmbito público, por outro lado, os agentes só podem exercer atividades que estão previstas em lei, de modo expresso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here